Método McKenzie® – O corpo sem dor

Você sabia que a má postura e o estresse estão entre as principais causas daquela dor na coluna e nas costas que insiste em aparecer nos momentos mais impróprios e parece querer ficar para sempre? Ações comuns do nosso dia a dia, no trabalho, em casa, na academia e no lazer podem desencadear as incômodas dores agudas, que se tornam crônicas se não cuidadas.

Proteger nosso corpo desses riscos cotidianos é o que o Método McKenzie® promove. Conhecido também como Sistema de Diagnóstico e Terapia Mecânica  – MDT (do inglês Mechanical Diagnosis and Therapy), defende a educação sobre as causas, exercício, postura e prevenção.

O método adota movimentos e posturas que podem substituir, em alguns casos, a medicação, uma cirurgia na coluna ou outras modalidades passivas como calor, gelo ou terapia de ultrassom.

A filosofia McKenzie® é baseada na premissa que a posição ou movimento inverso podem minimizar a dor e restaurar a função da região afetada, considerando que a maioria das dores músculo esqueléticas tem sua origem na parte “mecânica” do organismo, sendo causada por posição ou movimentos inadequados.

Estudos recentes mostram que uma boa parte dos casos de dor na coluna é rapidamente reversível com a utilização Método McKenzie®.  Trata-se de uma técnica confiável e eficaz, utilizada por profissionais e pacientes no mundo inteiro para prevenção e tratamento de problemas de coluna, pescoço e extremidades.

A história

Desenvolvido nos anos 50 pelo fisioterapeuta Robin A. Mckenzie, na Nova Zelândia, o Método McKenzie® mudou completamente a maneira como são tratados, no mundo todo, problemas de coluna, pescoço e extremidades do corpo.

Foi em sua clínica em Wellington, Nova Zelândia, que, em1956, Robin McKenzie observou um fato importante que mudou a natureza do tratamento administrado para o alívio da dor nas costas. Isso levou ao desenvolvimento das teorias e da prática que, atualmente, se tornaram a marca registrada do protocolo McKenzie® para avaliação e tratamento dos distúrbios mecânicos da coluna vertebral.

O fisioterapeuta começou a avaliar sistematicamente os efeitos que movimentos e posições simples tinham sobre a dor nas costas dos seus pacientes. Surgiu, gradualmente, um claro processo de avaliação, hoje conhecido como Método McKenzie® de Diagnóstico e Terapia Mecânica® (MDT).

Somente nos anos 70 que Robin conseguiu desenvolver suas teorias de modo consistente e ficou conhecido nos Estados Unidos. Ele foi contratado pelo grupo Kaiser de hospitais e ajudou milhares de trabalhadores americanos a superar seus debilitantes problemas de coluna. Rapidamente obteve reconhecimento internacional sendo convidado para atuar no Reino Unido, Japão e China.

Com o alcance mundial da técnica, Robin iniciou uma série de treinamentos para outros fisioterapeutas e fundou, em 1982, o Instituto McKenzie, para cursos e pesquisas na área, que hoje conta com 28 filiais espalhadas pelo mundo.
Por mais de 40 anos, Robin McKenzie refinou e aperfeiçoou os procedimentos que fizeram seu sistema de autotratamento incomparável. Ele também criou os originais rolos lombar e cervical McKenzie, para ajudar os pacientes a prevenir a recorrência da dor.

Em 2004, a revista americana Advance for Physical Therapists and PT Assistants, da Associação Americana de Fisioterapia (APTA), publicou uma pesquisa na qual citava Robin McKenzie como o profissional que mais influenciou a fisioterapia ortopédica. Sua teoria e tratamento são agora apoiados por evidências científicas.

‘Tudo o que sei aprendi com meus pacientes’
(Robin A. Mckenzie)

O Método McKenzie® é aconselhável para:

  • Dores crônicas
  • Sintomas de formigamento, queimação e fisgadas
  • Dor na coluna
  • Hérnias de disco
  • Dor ciática
  • Lombalgia
  • Dor de artrite no quadril, nádegas, ombros e braços
  • Rigidez ou dor na coluna lombar
  • Dor que começa nas costas ou pescoço e se espalha para as nádegas ou ombros
  • Formigamento ou dormência intermitente nas mãos e nos pés
  • Dor nos cotovelos ou joelhos

Método McKenzie® – Como é feita a avaliação?

PASSO 1 – Avaliação

O MDT é uma abordagem que começa com um diagnóstico mecânico preciso, que determina o tratamento específico, adequado para cada paciente. A primeira atitude do fisioterapeuta para uma avaliação é levantar a história detalhada dos sintomas e como eles se comportam no dia a dia. Além disso, o paciente fará certos movimentos e posições, orientados pelo profissional.

A diferença principal entre a avaliação do Método McKenzie® e de outras abordagens é o uso de movimentos repetidos em vez de movimentos simples. As mudanças causadas por esses movimentos repetidos ou posições mantidas nos seus sintomas e na amplitude dos movimentos dão ao fisioterapeuta as informações necessárias para classificar o problema.

PASSO 2 – Classificação

Cada síndrome é tratada de acordo com a sua natureza única, com exercícios específicos, incluindo movimentos repetidos e posturas sustentadas. Também é feita uma reavaliação estruturada e informativa. Se a resposta for ambígua – o que é comum acontecer, serão necessários mais testes.

PASSO 3 – Tratamento

Com as informações levantadas, o fisioterapeuta irá prescrever os exercícios específicos, orientar sobre as posturas que o paciente deve adotar e as que precisará evitar temporariamente e, também,
em casos de uma apresentação mecânica mais complexa, aplicar técnicas complementares de terapia manual, até que o paciente possa se autotratar.

O objetivo é ser o mais eficaz possível no menor número de sessões, fazendo com que o cliente se envolva ativamente. A maioria pode se autotratar com sucesso quando lhe são fornecidas as informações e ferramentas necessárias. Isso diminui o número de visitas à clínica.

A investigação científica tem demonstrado que o Método McKenzie® pode tratar de forma eficaz quem sofre com dores há meses ou anos. A avaliação completa determina o quanto cada um pode se beneficiar com o MDT.

PASSO 4 – Prevenção

Aprendendo a se tratar, o paciente se informa cada vez mais sobre como diminuir o risco de recorrências e saberá também lidar rapidamente com os sintomas se eles recorrerem, assumindo o controle do seu tratamento de maneira segura e eficaz. É mais provável que problemas persistentes sejam evitados com o autocuidado do que com tratamento passivo.

Eu preciso do Método McKenzie®?

Uma autoavaliação

Todo o sistema de avaliação, tratamento e prevenção se baseia na prática do envolvimento ativo do paciente e deve ser orientado por profissionais capacitados. Se você responder ‘sim’ para 3 ou mais perguntas abaixo, fale conosco que podemos ajudá-lo com o Método McKenzie®.

  1. No dia a dia há períodos em que você não sente dor nas costas ou no pescoço?
  2. Você já teve mais de um episódio de dor nas costas, no pescoço ou nas extremidades nos últimos meses?
  3. Você consegue associar sua dor com alguma atividade em particular e não sente tanta dor quando não está exercendo tal atividade?
  4. Você se sente pior quando fica sentado por longos períodos?
  5. Você se sente pior quando está parado e melhor quando está em movimento?
  6. A sua dor nas costas fica melhor quando está deitado de barriga para baixo?
  7. Você se sente melhor quando começa a caminhar?
2017-05-15T08:45:14+00:00 15/05/2017|Bem Estar, Método Mckenzie, Sem categoria|